Especiais |
P. João Aguiar Campos
Do lado de dentro
<<
1/
>>
Imagem

Podem estranhar o título destas linhas. Mas o que quero dizer – lendo a Mensagem do Papa Francisco para o próximo Dia Mundial do Doente – é que a leio a partir da minha condição de doente oncológico. Escrevo, por isso, “do lado de dentro”, mas de janela aberta.

 

1. Confesso plena adesão à afirmação determinante do Papa: Deus «cuida de nós com a força de um pai e a ternura de uma mãe, sempre desejoso de nos dar vida nova no Espírito Santo».

A doença não é castigo. Aliás, não gostando mesmo nada de sofrer, afirmo um balanço pessoalmente positivo desta meia dúzia de anos de luta, nas suas perdas purificadoras (e tantas foram!) e nas luminosas descobertas (e tantas foram!).

É certo que algumas terapias perderam validade e, passo a passo, sei para onde caminho. Mas caminho, pois me recuso a ser levado: a disponibilidade é uma coisa e a resignação dorida e disfarçadamente contrariada é outra.

Sim; sei-me amado de Deus, presente na minha determinação para todos os tratamentos razoáveis – e apenas para esses!… Por uma graça que não mereço nem sei explicar, não sofro o medo. Rezo, por isso, muitas vezes esta convicção: «Sou um frágil vime. Mas se Teus olhos se atam nos meus, saber-me-ei mais seguro que agarrado ao tronco de um cedro do Líbano!…»

 

2. Aprofundei a gratidão a muitas pessoas. Mormente aos profissionais da saúde que fazem da sua presença uma missão. É verdade – e volto a citar Francisco – que «podem ser sinal das mãos misericordiosas do Pai». E são-no mediante a amabilidade que deixa falar e perguntar; a explicação paciente e delicada de cada fase de tratamento e suas consequências; a alegria com que anunciam que foi autorizado o protocolo A ou B.  São-no, ainda, quando – escondendo-o – fazem o luto quando perdem um de nós!…

Quanta proximidade manifestam, por exemplo, na curiosidade que demonstram em relação aos nossos tempos livres e ambiente familiar. É a tal «singular atenção à particularidade», pois a enfermidade não passa de uma circunstância. Decisivo é quem a sofre!

Que bem o diz o Santo Padre quando escreve: «O doente é sempre mais importante do que a sua doença, e por isso qualquer abordagem terapêutica não pode prescindir da escuta do paciente, da sua história, das suas ansiedades, dos seus medos. Mesmo quando não se pode curar, sempre é possível tratar, consolar e fazer sentir à pessoa uma proximidade que demonstre mais interesse por ela do que pela sua patologia».

Quem não entende isto fica – porventura com a melhor das intenções – a carregar-nos de perguntas, olhares e lamentos, roubando-nos a coragem dos sorrisos e embaciando a esperança. Ou mata-nos antes do tempo, tornando-nos invisíveis, senão inexistentes… Mais: quem não entende isto e aceita o isolamento e a marginalização dos enfermos afasta-se da condição de Discípulo.

Sei que custa acompanhar e servir a fragilidade. O meu coração transborda, por isso, de gratidão quando constato a proximidade de uma visita («ministério da consolação»); assim como o acolhimento, o pormenor dos espaços e o Evangelho a acontecer nas «casas de misericórdia», que não podem ser armazéns de dores ou velharias; nem sítios de entrega de pessoas/fardos – mas «estalagens do bom samaritano», onde os cuidados têm de contemplar todas as dimensões.

A mensagem do Papa lembra-o oportunamente. Não o dizendo, as suas palavras podem ser um alerta para uma espécie de falso pudor que adia os cuidados espirituais e escusa o pensamento lúcido sobre a finitude.

Francisco fala mesmo de «discriminação», quando aos doentes não se oferece «a proximidade de Deus, a sua bênção, a sua Palavra, a celebração dos Sacramentos e a proposta dum caminho de crescimento e amadurecimento na fé».

 

3. «Sede misericordiosos», pede a mensagem do Santo Padre aos profissionais, familiares e agentes da pastoral da saúde.

Mas, lida a partir de dentro, penso que também os doentes são chamados a ser agentes e não meros beneficiários da misericórdia. Como?… Não se entregando ao desânimo, ao descuido e à tentação de tudo esperar; compreendendo as dores de quem cuida e desculpando alguma manifestação de natural fadiga; agradecendo as suas horas e insónias.

Pessoalmente, não quero que a doença me anoiteça. Procuro, por isso, as palavras luminosas que nela se escondem: amor, amizade, confiança, esperança, amanhã...

Estas palavras são como aves, com ninho no coração de Deus. Ele lhes dá asas e céu; vento e ramos onde poisar. Ele mandou – sei que mandou – que cada uma delas voe até à sebe dos meus olhos e cante no quintal do meu coração. Por isso não anoiteci e me recuso a anoitecer.

Na mão de Deus durmo de luz acesa!...




Na foto: O cónego João Aguiar Campos, ex-presidente do conselho de gerência do Grupo Renascença, foi condecorado com o grau de Comendador da Ordem do Mérito, pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, numa cerimónia no Palácio de Belém, no passado dia 19 de janeiro.

foto por Presidência da República
A OPINIÃO DE
José Luís Nunes Martins
i) Deus está na alegria e na tristeza. Está sempre presente, ainda que muitos dos que se sentem alegres...
ver [+]

P. Manuel Barbosa, scj
Qualquer reforma é um dinamismo permanente na vida das pessoas e instituições. Nesse sentido se entente...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES