Editorial |
P. Nuno Rosário Fernandes
A vacina da santidade
<<
1/
>>
Imagem

Chamou-me a atenção uma publicação da Organização Mundial de Saúde a alertar para o facto de as vacinas serem uma forte proteção contra a covid-19, frisando que é necessário receber as doses recomendadas para que as mesmas surtam efeito. Depreendo, por esta mensagem, que haverá quem pense que a primeira inoculação já resolve o problema, cria imunidade e então já se pode viver a vida como se não existisse pandemia.  O facto é que, pelas notícias que vamos colhendo, mesmo com a vacinação completa, têm surgido casos de novas infeções e até mesmo de pessoas falecidas nessa condição. Isto faz-nos, assim, tomar consciência de que não podemos descurar a atenção e a vigilância que são necessárias para evitar novos contágios. Há novas estirpes deste coronavírus que se vão disseminando e em qualquer momento podemos ser vítimas delas.

Por isso, é preciso ser vigilante; tal qual acontece com a nossa vida espiritual. Se não houver vigilância, se descurarmos os cuidados necessários para as lutas espirituais de cada dia, estamos sujeitos a ser ‘infetados’ por aquilo que nos retira a paz e nos leva à ‘morte’. Sabemos que a graça de Deus é maior do que tudo e supera tudo, mas da nossa parte não pode haver distrações; é sempre preciso a nossa intervenção nos muitos cuidados que precisamos ter para que seja possível combater esse vírus que nos leva para o mal. Sabemos que a ‘vacina’ do Sacramento da Confissão, a que podemos recorrer, está sempre à nossa disposição, se não formos daqueles ‘negacionistas’; mas também sabemos que a vacina não nos imuniza do pecado, perdoa-nos dele. Por isso, é sempre preciso a vigilância, porque muitas vezes o nosso pecado pode disseminar-se e levar também os outros a praticar o mal. É preciso o testemunho da fé de cada um para levar ao mundo a proposta de uma vida de santidade. Precisaremos de descobrir a vacina da santidade?

 

Editorial, pelo P. Nuno Rosário Fernandes, diretor

p.nunorfernandes@patriarcado-lisboa.pt

A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
Continuamos a ler os Atos dos Apóstolos, e a acompanhar Paulo e Barnabé no seu percurso: «Naqueles...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
A dor não é uma desgraça, mas uma experiência de amor que, ao unir-nos ao sacrifício de Cristo na Cruz, nos aproxima dos irmãos.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES