Especiais |
Mensagem para o ‘Dia dos Namorados’
“A paixão amorosa não é posse, é delicadeza e generosidade”
<<
1/
>>
Imagem

A Igreja em Portugal lembrou aos namorados a importância de cultivarem “um amor respeitador e não egoísta”. “Quando ao início de um relacionamento amoroso de namorados, se coloca a experiência de relações íntimas por necessidade de possuir, fica por acontecer a alegria da pura paixão, que é ‘fogo’ que arde sem queimar e expressão de liberdade interior. A paixão amorosa não é posse, é delicadeza e generosidade, é desejo de estar com a pessoa amada, sobretudo de estar no seu coração. A paixão gera a disposição e disponibilidade para fazer feliz a outra pessoa, contando que seja correspondida. É necessário tempo e não ter pressa. É necessário cultivar um amor respeitador e não egoísta”, salienta uma mensagem da Comissão Episcopal do Laicado e Família para o ‘Dia dos Namorados’, a 14 de fevereiro.

Intitulada ‘A capacidade de amar é um dom de Deus’, a “mensagem sobre o namoro” é particularmente dirigida “aos jovens cristãos”. “Por namoro entendemos um relacionamento privilegiado entre um rapaz e uma rapariga que se alimenta por um objetivo claro, embora nem sempre atingido: casar e vir a formar uma família. As pessoas casadas e os jovens namorados sabem, de memória viva, onde e em que circunstâncias aconteceu aquele momento em que um decidiu declarar ao outro o amor que tinha dentro de si, já existente há algum tempo, mas só assumido naquele momento na esperança de ser correspondido”, destaca o texto, lembrando que “uma declaração de amor exige verdade”. “A condição da verdade não pode deixar de ser sublinhada e, por isso, ninguém deve brincar com o coração de outrem com base na mentira e no oportunismo. Com alegria, reconhecemos em muitos jovens uma sede de verdade nas suas vidas; a verdade no coração juvenil não pode deixar de ser valorizada”, apontam os bispos portugueses. A mensagem recorda ainda como “uma declaração de amor é coisa séria e tem consequências”. “Se for correspondida, estabelece-se um relacionamento de namorados. Pessoas que assumem o amor apaixonado e traduzido espontaneamente em atenções, delicadeza afetuosa e cuidados comuns”, reforça o texto.

Para este órgão da Conferência Episcopal Portuguesa, é necessário “refletir e falar com seriedade acerca de todas as dimensões da vida humana e também da dimensão afetivo-sexual”. “Desejamos que os jovens cristãos sejam afetuosos e saibam viver a sua capacidade sexual com verdade, sinceridade, respeito e sabedoria. Saibam guardar-se e não queimar etapas. Uma afetividade mal gerida na juventude pode determinar negativamente a vida inteira”, lembra o texto, sublinhando ser “determinante beneficiar do tempo de namoro, e mais tarde do tempo de noivado, para preparar responsavelmente o casamento, não apenas a celebração do matrimónio na igreja, mas toda uma vida em comum”.

 

Mensagem para o ‘Dia dos Namorados’

https://leigos.pt/a-capacidade-de-amar-e-um-dom-de-deus

A OPINIÃO DE
José Luís Nunes Martins
i) Deus está na alegria e na tristeza. Está sempre presente, ainda que muitos dos que se sentem alegres...
ver [+]

P. Manuel Barbosa, scj
Qualquer reforma é um dinamismo permanente na vida das pessoas e instituições. Nesse sentido se entente...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES