Juventude |
Vigília Ecuménica Jovem
Ecumenismo: “Vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-lo” (Mt 2,2)
<<
1/
>>
Imagem

Para nós, cristãos, o caminho ecuménico, caminho de sermos e vivermos como “um só” é inevitável. A nossa fé nos impele a essa comunhão; a nossa vivência como discípulos de Cristo faz com que sejamos atraídos por essa comunhão: uma só Igreja, um só Espírito, um só Pai e um só Caminho.

Ao longo dos séculos, desde a divisão da Igreja até aos dias de hoje, muito têm sido os esforços de conciliação, de unidade, contudo nem sempre com os frutos desejados. Mesmo assim, o amor que todos temos por Cristo nunca deixou essa vontade evaporar, muito pelo contrário, quando menos esperamos aparece uma luz que reaviva essa chama de sermos “um só”: unidos no amor, unidos em Cristo.

O Papa Francisco, dando continuidade aos grandes esforços feitos pelos seus antecessores, colocou o diálogo ecuménico como uma das prioridades do seu pontificado. Na primeira semana do seu pontificado abraçou Bartolomeu I a quem chamou de “André” – “herdeiro do apóstolo”. Foi um passo que marcou muito o início do seu pontificado que teria de ter esse braço ecuménico, essa veia de luta pela unidade: luta marcada pelo diálogo fraterno, pelo diálogo guiado pela caridade.

Nesta semana em que somos chamados a rezar pela unidade dos cristãos, com todos os nossos irmãos cristãos, por uma unidade sólida onde todos nos reconhecemos como filhos da mesma Igreja, unidos pelo mesmo espírito que a guia e a faz germinar, não descoremos dos exemplos que o Papa Francisco e seus antecessores nos têm dado: um caminho de diálogo e de oração.

A Igreja coloca-nos a meditar sobre uma estrela que aparece no Oriente (Mt 2, 1-12), não apercebida por muitos, mas apercebida por aqueles que estavam atentos aos sinais dos tempos. Os reis magos viram a estrela, talvez insignificante para muitos, mas suficiente para os fazer caminhar ao seu encontro. Uma estrela que os atraiu e os fez deixar as suas terras, sem saberem onde ela os havia de levar, confiantes foram, passo a passo até chegar a uma humilde gruta onde havia de estar uma pequena criança recém-nascida, humanamente desprotegida, e sujeita aos perigos que aquela época e aquele contexto a colocavam (região sob o governo do rei Herodes).

Este texto faz-nos refletir em vários pontos sobre o ecumenismo, e a sua importância:

O ecumenismo como fruto do sinal dos tempos e da grande vontade da Igreja (das igrejas) em ser um só como era e é da vontade de Cristo: Cabeça da Igreja.

O ecumenismo como caminhada daqueles que tiveram e têm a capacidade de interpretar o que o Espírito diz. E, ao sentirem esse apelo, não se acomodarem e porem-se a caminho.

O ecumenismo como a beleza da diversidade em união: diferentes em costumes, línguas e povos, todavia respirando um único Espírito – Cristo, único Senhor que não faz exceção de ninguém.

O ecumenismo como um caminho capaz de ultrapassar as mais variadas adversidades que levaram e levam à divisão. Sejamos capazes de deixar o amor, a concórdia, a justiça e a paz, mesmo no meio de tantas tribulações que nos assolam.

O ecumenismo como oportunidade de nos pormos a render: termos essa capacidade de oferecer o que temos – o melhor que temos – assim como os reis magos fizeram, porque tudo recebemos do alto e para lá o devemos canalizar. Todos o recebemos do mesmo Deus, do mesmo menino. Nenhum de nós pode ficar fora dessa oferta a Deus que é para todos e para o bem de todos. Uma oferta como um, como irmãos, como filhos do mesmo Pai e irmãos do mesmo Menino, adorado na gruta de Belém.

Esta “Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos” é uma excelente oportunidade para isso. Despojemo-nos das nossas convicções pessoais e sem a luz da estela de Cristo, coloquemo-nos ao serviço do Espírito que nos guia e leva a reconhecer qual a estrela que nos pode guiar para o amor verdadeiro, para a paz verdadeira, para a plena comunhão.

Como forma de reforçar este convite, fiquemos com as palavras do Papa Francisco quando foi abençoado pelo patriarca Bartolomeu em Istambul: “encontrar-nos, olhar o rosto um do outro, trocar o abraço de paz, rezar um pelo outro são dimensões essenciais do caminho para o restabelecimento da plena comunhão para a qual tendemos”.

texto por Arickson Maocha

 

_____________


Vigília Ecuménica Jovem

Neste dia 22 de janeiro somos todos convidados a rezar e a estar presente na Vigília Ecuménica Jovem, às 21h30 na igreja do Colégio de São João de Brito. A Vigília é organizada pelos jovens de várias confissões cristãs da região de Lisboa. 

 

_____________


DIA 23

“Coragem, meus amigos, pois tenho confiança em Deus!” (At 27, 25). Os jovens das Vigararias de Loures-Odivelas e Sacavém estão a preparar um encontro para toda a Diocese, no dia 23 de janeiro, às 17h00, na igreja de Catujal. Contamos contigo!

Com Maria, apressadamente, até 2023!

A OPINIÃO DE
José Luís Nunes Martins
Aquilo que somos depende do que fazemos com o que recebemos. A nossa primeira responsabilidade será...
ver [+]

P. Manuel Barbosa, scj
Dialogar, escutar, discernir: três atitudes a marcar o processo sinodal iniciado em outubro de 2021 com as fases diocesana e nacional.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES